7 mar. 2009

Ambiguidades


Tu perguntas-me, donzela,
Porque a fronte se me curva,
E a luz dos olhos se turva
De súbita inundação?
Dizes que já não me anima
O fogo que me inflamava,
Quando, outrora, te jurava
Eterna, ardente paixão?

Inocente! Vês a vida
Abrir-te senda em flores,
Não sabes que existem dores,
Não pensas que amarga o fel.
Não compreendes, meu anjo,
Como a rija mão do fado
Transforma um céu estrelado
Numa noite tão cruel.

Através da escura sombra
Que o semblante me condensa
Pensas ver indiferença,
Desmaio no meu amor?
Ai!... Bela pomba, não creias...
Se já não tenho um sorriso,
É porque já não diviso
No sol o mesmo fulgor!

O navegador que solta a vela
Em mar de rosas, ufano,
E no tranquilo oceano
Ergue o singelo trovar,
Se por entre nuvens negras
A tempestade rebenta,
Na confusão da tormenta
Ouve-lo ainda cantar?

(lusosapien)
http://lusosapien.blogspot.com/

No hay comentarios: